domingo, outubro 23, 2005

PCP da Póvoa de Varzim diz que Governo quer "deitar ao lixo" a construção de novo hospital

Ângelo Teixeira Marques, in Público, 23 de Outubro de 2005

Comunistas vão propor alterações para garantir verbas para esta e outras obras, como a de recuperação do molhe-sul do porto de pesca

A Concelhia da Póvoa de Varzim do PCP acusou ontem o Governo de se preparar para deixar cair a construção de um novo hospital que substitua a unidade local e a de Vila do Conde. O líder da secção comunista e deputado na Assembleia da República, Jorge Machado, frisou que, na proposta do Plano de Investimentos e Despesas para o Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC), o Ministério da Saúde "não inscreveu um cêntimo" para essa unidade hospitalar que constituiu "uma promessa na última campanha autárquica do Partido Socialista nos dois concelhos".
Uma dessas iniciativas no recente período eleitoral foi inclusive caucionada por Maria de Belém Roseira, que enquanto ministra da Saúde do Governo de António Guterres concordou com a premência de serem substituídas as duas unidades que estão instaladas em edifícios antigos e apertados. Foi feito o programa funcional do futuro hospital, criado um centro hospitalar (conselho de administração único), o arquitecto Tomás Taveira chegou a executar o anteprojecto do edifício e as verbas necessárias foram, na ocasião, inscritas no PIDDAC. Os Governos do PSD desistiram de avançar com um hospital estritamente público, passando a incluí-lo no lote das dez novas unidades de iniciativa público-privada, mas o actual ministro ordenou a elaboração de um estudo para que seja estabelecida uma lista de prioridades das novas construções.
"O ministro prepara-se para deitar ao lixo o projecto", acusa Jorge Machado, que, na conferência de imprensa de ontem, considerou que a fatia destinada à Póvoa na proposta de PIDDAC do próximo ano (325 mil euros para o centro de emprego e obras em escolas) é um "valor vergonhoso". José Rui Ferreira, líder da bancada da CDU na assembleia municipal, exemplificou com uma imagem: "Só dá para pagar meia escola".
O concelho está no penúltimo lugar do PIDDAC distrital e Jorge Machado anunciou que na discussão na especialidade vai propor, entre outros assuntos, a inscrição de verbas para o hospital, para a recuperação do molhe-sul do Porto da Póvoa (reivindicada também pelo executivo social-democrata), para a aquisição de um veículo auto-escada dos bombeiros, para diversas construções como um heliporto para auxílio da comunidade piscatória e um novo quartel da GNR.

Autarca de Vila do Conde minimiza PIDDAC
A Câmara de Vila do Conde, liderada pelo socialista Mário Almeida, afirmou em comunicado que o PIDDAC para a Área Metropolitana do Porto "traduz a realidade económica e financeira do país, havendo uma contenção que afecta tudo e todos". Ainda assim, a edilidade está convicta de que, em Vila do Conde, a "diminuição de verbas é aparente, já que há obras em curso que vão exigir elevados recursos financeiros por parte do Governo". A esse propósito, Mário Almeida exemplifica com os trabalhos na zona ribeirinha, no centro de saúde, em escolas e jardins-de-infância e destaca três "intervenções fundamentais": o Centro Educativo de Santa Clara, que libertará o mosteiro para ser adaptado a uma pousada, o investimento no Laboratório de Investigação Veterinária, que contribui "para que Vila do Conde seja um núcleo importantíssimo no distrito do Porto", e as beneficiações na quinhentista igreja matriz.
O autarca acrescenta, contudo, que a câmara vai "continuar a insistir na necessidade de serem edificadas" escolas na zona sul do concelho e a nova esquadra - prevista há quase uma década - da PSP.