quarta-feira, agosto 31, 2005

Violência doméstica já matou 41 mulheres em Espanha este ano

Nuno Ribeiro, Madrid
Público, 30 de Agosto de 2005

Terrorismo dentro de casa

Só em Agosto foram assassinadas pelos companheiros oito mulheres, duas das quais no último fim-de-semana

Este ano, a violência doméstica já levou ao assassínio de 41 mulheres em Espanha. Só este mês, foram seis as vítimas mortais de casos de agressão e no final da semana passada registaram-se dois novos assassinatos.
Um espanhol matou a sua companheira, uma emigrante ucraniana, em Elche, cidade de Múrcia, e na ilha de Maiorca, na quinta-feira, uma espanhola foi assassinada: o marido alegou que mantinha correspondência via Internet com vários homens, pelo que a esfaqueou. Ontem, o governo regional das Baleares cumpriu um minuto de silêncio em memória desta última.
A mais recente série negra do que em Espanha é denominado "terrorismo doméstico" iniciou-se há uma semana em Oviedo, nas Astúrias, quando uma mulher foi assassinada pelo namorado, pouco depois de lhe ter comunicado que desejava pôr fim à relação sentimental.
O número de 41 assassinadas é ligeiramente inferior - menos cinco - ao verificado nos primeiros oito meses do ano passado, mas não tranquiliza as autoridades. Em causa está a aplicação da nova lei contra a chamada "violência de género", aprovada em Janeiro último no Parlamento. Uma legislação inovadora, não apenas por multiplicar os juízes e magistrados que em Espanha se ocupam destes casos ou por endurecer as penas para as agressões, mas também porque introduz um novo critério: a discriminação positiva da vítima, conferindo-lhe maiores apoios para denunciar a violência de que é alvo.
Contudo, as associações feministas criticam o Executivo por não ter dotado de meios os corpos policiais, encarregues da protecção das mulheres ameaçadas, e os tribunais.
Perante a avalanche destes novos casos, o Governo socialista espanhol prepara para as próximas semanas o lançamento de uma campanha de sensibilização contra os maus tratos no âmbito doméstico. "Vamos dirigir-nos fundamentalmente aos homens, que na sua maioria não são violentos, para que expliquem as razões do bom trato na sua relação", anunciou ontem Soledad de la Vega, responsável da secretaria-geral de Políticas de Igualdade, do Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais de Espanha.

Queixas aumentam
no Verão
Do mesmo modo, em Madrid e Barcelona serão constituídos dois novos juízos para dar vazão às denúncias interpostas nas últimas semanas. Apesar de nem todas as mulheres denunciarem, atempadamente, as agressões ou ameaças de que são vítimas pelos maridos, namorados ou companheiros sentimentais, o aumento das queixas e dos desenlaces fatais no Verão é explicado pelos psicólogos: em tempo de férias a convivência é mais estreita, o que acentua o momento da ruptura, quando há crise.
Só nos últimos cinco dias foram detidas em Espanha dez pessoas, três das quais mulheres, acusadas de agressões aos seus cônjuges ou namorados. Registou-se um caso que é reputado de exemplar da actuação das forças policiais: em Bilbau, no País Basco, uma patrulha da Polícia Municipal deteve na rua um homem que agredia a mulher na frente dos três filhos. Ela admitiu aos agentes que já fora várias vezes espancada pelo marido, mas que nunca o denunciara.
Uma situação comum, segundo o relatório de Maio último do Conselho Geral do Poder Judicial. Segundo este órgão, 73,6 por cento das 100 mulheres assassinadas em 2004, nunca tinham apresentado queixa por maus tratos.

Beasts of Prey

The Sunday Times Magazine
August 28, 2005

Beasts of prey

In Guatemala, women are being raped, mutilated and murdered in their thousands. Even little girls have to constantly look over their shoulders. There is little chance of the perpetrators being caught — because often the law is right behind them. Christine Toomey investigates

There is a country where a man can escape a rape charge if he marries his victim — providing she is over the age of 12. In this country, having sex with a minor is only an offence if the girl can prove she is "honest" and did not act provocatively. Here, a battered wife can only prosecute her husband if her injuries are visible for more than 10 days. Here too it is accepted in some communities that fathers "introduce" their daughters to sex.

In this country the body of a girl barely into her teens, or a mother, or a student, can be found trussed with barbed wire, horrifically mutilated, insults carved into her flesh, raped, murdered, beheaded and dumped on a roadside. In its capital city, barely a day goes by without another corpse being found. Bodies are appearing at an average of two a day this year: 312 in the first five months, adding to the 1,500 females raped, tortured and murdered in the past four years.

This country is Guatemala, and to be a woman here is to be considered prey. Prey to murderers who know they stand little chance of being caught. Prey not just on the street, nor at night, nor in back alleys, but in their homes, outside offices, in broad daylight. In Guatemala someone has declared war on women. Someone has decreed it doesn't matter that so many are dying in grotesque circumstances. Someone has decided that if a woman or a girl is found dead she must have asked for it, she must be a prostitute, too insignificant to warrant investigation. Everyone here knows women are being murdered on a huge scale, and not by one serial killer, nor two nor even three, but by a culture. So why is this happening? Why is it being allowed to continue?

#
#
#
#
#

Manuela Sachaz was no prostitute. She was a baby-sitter, newly arrived in the city to care for the 10-month-old son of a working couple. They found her body on the floor in a pool of blood. The baby was propped up in a high chair, his breakfast still on the table in front of him. Both had been beheaded. The nanny had been raped and mutilated; her breasts and lips had been cut off, her legs slashed.

Maria Isabel Veliz was just a happy teenage girl with a part-time job in a shop. She was found lying face down on wasteland to the west of the capital. Her hands and feet had been tied with barbed wire. She had been raped and stabbed; there was a rope around her neck, her face was disfigured from being punched, her body was punctured with small holes, her hair had been cut short and all her nails had been bent back.

Nancy Peralta was a 30-year-old accountancy student who failed to return home from university. She was found stabbed 48 times; her killer or killers had tried to cut off her head.

But you have to dig deep to find the families and talk to their neighbours and friends to learn about the terrible things that are happening in this small Central American country sandwiched between Mexico and El Salvador.

Newspapers here carry a daily tally of the number of female corpses found strewn in the streets, but such discoveries are usually considered so insignificant they are relegated to a sentence or paragraph at the bottom of an inside page. Brief mention may be made of whether the woman has been scalped, tortured, decapitated, dismembered, trussed naked in barbed wire, abandoned on wasteland or, as is common, dumped in empty oil drums that serve as giant rubbish bins. Some reports might mention that "death to bitches" has been carved on the women's bodies, though there is rarely a mention of whether the woman or girl, some as young as eight or nine, has been raped. According to Dr Mario Guerra, director of Guatemala City's central morgue, the majority have. Many of the women are simply designated "XX", or "identity unknown". This is because they have often been taken far from the place where they were abducted and subjected to unimaginable tortures before being killed. It can take the women's families days, weeks or months to trace them. Many are unrecognisable and, as there is no DNA profiling here, some are never claimed and simply buried in unmarked communal graves.

#
#
#
#
#

To truly understand what is happening in this country and what happened to Manuela, Maria Isabel or Nancy, you have to spend a few moments stepping back in time to the darkest days of Guatemala's 30-year civil war. The slaughter began earlier here and lasted much longer than in El Salvador and neighbouring Nicaragua, though it escalated for similar reasons. It escalated because, in the context of the cold war, successive United States administrations felt threatened by the election of liberal and socialist governments in the region and the emergence of left-wing guerrilla insurgencies. Often secretly, they proceeded to pump massive military aid into these countries' armed forces and right-wing rebels to fight the leftists — though in the case of Guatemala, what happened was a more blatant case of protecting US corporate interests.

By the early 1950s, vast swathes of Guatemala lay in the hands of America's United Fruit Company. In 1954, when the country's left-leaning government started expropriating some of this land to distribute to the poor, the CIA, whose director had financial ties to the company, orchestrated a military coup. Land reform stopped, left-wing guerrilla groups began to form and the US-sponsored anti-insurgency campaign began. The 30-year cycle of repression that followed, reaching its bloodiest peak in the 1980s, was the most violent, though least reported, in Latin America. Large areas of the countryside were razed, their population, mostly Mayan Indian, massacred. Villagers were herded into churches and burnt, whole families sealed alive in wells. Political opponents were assassinated, women were raped before being mutilated and killed. The wombs of pregnant women were cut open and foetuses strung from trees. By the time the UN brokered a peace deal in 1996, over 200,000 had been killed, 40,000 "disappeared" and 1.3m had fled their homes, to leave the country or become internal refugees. This in a country with a population of little over 10m.

When the Catholic Church concluded in 1998 that 93% of those killed (in what were later recognised as "acts of genocide") had perished at the hands of the country's armed forces, paramilitary death squads and the police, the bishop who wrote the report was bludgeoned to death on his doorstep. Unusually, given the country's climate of almost complete impunity, three army officers were convicted of his murder.

In recognition that it was those the US had armed, and in part trained in methods of sadistic repression, who were responsible for most of the atrocities, the UN-sponsored peace deal demanded that the country's armed forces and police be reduced and reformed. It also demanded that those responsible for the worst atrocities be brought to justice. Not only did this not happen, but Efrian Rios Montt, the general accused of acts of genocide at the height of the war (charges famously dismissed by the former US president Ronald Reagan as a "bum rap"), subsequently stood for president. Though he failed in this bid, he was eventually elected president of Congress — a position similar to the Speaker of the House. And while the army and police force were pared down, and in the case of the police their uniforms updated, the men did not change. In a land that has seen such lawless atrocity go unpunished, it is not surprising that life should be cheap. And in a land where the culture of machismo is so pronounced, it is not surprising that men have become accustomed to thinking they can murder, torture and rape women with impunity.

This is not, of course, how the police here see it. It is astonishing how quickly the police chief Mendez, in charge of a special unit set up last year to investigate the murder of women, agrees to see me. Considering his workload, you would think he was a busy man. But when I call to make an appointment I'm told he can see me at any time. The reason for this courtesy quickly becomes apparent. Not a lot seems to going on in Mendez's office; his unit appears to be little more than window-dressing. Tucked away in a low building on the roof of the National Civil Police HQ in the heart of the capital, the office looks almost vacant; four desks sit in the far corners of the sparsely furnished room, separated by a row of filing cabinets. The only wall decoration is a large chart of the human body "to help police officers write up their reports of injuries inflicted on murder victims". There are four computers, only two of which are switched on. Apart from Mendez and his secretary, there are three other police officials in the room at the time of my visit. All sit huddled in a corner chatting and laughing throughout the interview.

When asked what he believes lies at the root of such extraordinary violence towards women in Guatemala, Mendez repeats a mantra that seems to be widely held as normal: "Women are coming out of their homes and participating in all aspects of society more. Many men hate them for this." He adds, as if it were necessary, that "this is a country with many machistas [male chauvinists]". It is difficult to interpret the latter as a complaint, however, when the police chief's young secretary is standing behind him in an overtight uniform, stroking his hair as we speak.

Mendez attributes the general climate of violence to burgeoning drug-trafficking, the proliferation of illegal arms and to vicious infighting between rival street gangs — known here as maras, after a breed of swarming ants. In a country with at least 1.5m unregistered firearms, which last year alone imported an estimated 84m rounds of ammunition, this is a large part of the picture. Guatemala City is now one of the deadliest cities in the world, with a per-capita murder rate five times higher than even Bogota in war-torn Colombia. The police chief taints this overview, however, by suggesting that one way of tackling the problem would be to get rid of the bothersome legal presumption of innocence when arresting suspects.

Given such attitudes, it is hardly surprising that less than 10% of the murders of women have been investigated. Even less so when you consider the case of 19-year-old Manuela and the baby, Anthony Hernandez, in her care.

In the vicinity of the small apartment that baby's parents, Monica and Erwin Hernandez, shared with their son and the baby-sitter, on the second floor of an apartment block in the Villa Nueva district of Guatemala City, there lived a middle-aged police officer. Clutching a photo of her grandson and struggling to talk through her tears, Cervelia Roldan recalls how the baby's mother, Monica, came looking for her after she finished work on the Wednesday before Easter last year. "She asked me if I had seen Manuela, because she wasn't opening the apartment door and my daughter-in-law didn't have a key. We went back to the apartment together and started calling out Manuela's name, but there was no answer. Then that man, the policeman, came to the front door of his apartment block. It was about five in the afternoon, but he was wearing just his dressing gown. He seemed very agitated and told us to look for Manuela in the market."

When Cervelia's son went back to his apartment a short while later with his wife and mother and still nobody answered their calls, he broke a window to open the apartment door. He found the body of the baby-sitter and their child inside. Three days later the policeman shaved off his beard and moved away. "Neighbours told me later how he used to pester Manuela," says Cervelia, who claims that after the double murder, Manuela's bloodstained clothing was found in his house. The authorities dispute this: they say the blood on the clothing does not match that of the baby or his nanny. Cervelia, however, says she has seen the policeman in the neighbourhood several times since the killings. "He laughs in my face," she says. "What I want is justice, but what do we have if we can't rely on the support of the law?"

It is a burning question. Of the 527 murders of women and girls last year, only one of these deaths has resulted in a prosecution. And what explains the extreme savagery to which female, yet few male, murder victims are subjected? Nearly 40% of those killed are registered as housewives and over 20% as students. Yet according to Mendez, the hallmark mutilations of women killed are the result of "satanic rituals" that form initiation ceremonies for new gang members. The overwhelming impression given by the government is that gangs are to blame for most of the killings. A spokesman for the Public Ministry — the equivalent of the Home Office — where the file on the murder of Anthony Hernandez and Manuela Sachaz now languishes, claims they could have been murdered because Manuela was a gang member, even though the teenager had only recently arrived in the capital from the countryside to work as a baby-sitter.

In the poorest barrios of Guatemala City, where gangs proliferate, gang members — known as pandilleros — admit some women are caught up in inter-gang rivalry. "But a lot of women are being murdered so police can blame their deaths on us and kill us indiscriminately," said one heavily tattooed 19-year-old slouched against a wall in a neighbourhood where the headless corpse of a young woman had been found a few hours previously. "The police only have to see a group of two or more of us with tattoos hanging about and they start shooting."

We witnessed this first-hand. Within minutes of arriving in this neighbourhood to speak to members of the country's largest gang, the Mara Salvatrucha, two squad cars came screeching across the rail tracks, police jumped from their cars, cocked their rifles and ordered the youths to brace themselves against the walls. According to the police, a "concerned" member of the community had called them, worried about the presence of strangers — the photographer Carlos Reyes and me — in their midst. This seems unlikely. A likelier scenario is that the police were tipped off that a group of pandilleros was gathering. Had we not been there, the gang members are convinced they would have been shot. Had this happened, there would almost certainly have been no investigation. For, since the end of the civil war, organised crime networks that have infiltrated the government, the army and the police at every level, recruit gang members to do their dirty work, then murder them — both to eliminate witnesses and "socially cleanse" the streets of those regarded as a common scourge.

Human-rights workers, who are regularly subjected to death threats and intimidation, also say blaming the murder rate on gang violence is a deliberate oversimplification of the problem. Women, they say, are not only being "killed like flies" because they are considered of no worth, but they are also being used as pawns in power struggles between competing organised crime networks. "A key element in the history of Guatemala is the use of violence against women to terrorise the population," explains Eda Gaviola, director of the Centre for Legal Action on Human Rights (CALDH). "Those who profit from this state of terror are the organised criminals involved in everything from narco-trafficking to the illegal adoption racket, money-laundering and kidnapping. There are clear signs of connections between such activities and the military, police and private security companies, which many ex-army and police officers joined when their forces were cut back."

Earlier this year, the ombudsman's office issued a report saying it had received information implicating 639 police officers in criminal activities in the past 12 months, and that it had opened cases against 383 of those, who were charged with crimes ranging from extortion and robbery to rape and murder. Given that most of the population is afraid to report crimes, this figure is almost certain to be a considerable underestimate of police complicity.

Three years ago, Amnesty International labelled Guatemala "a corporate Mafia state" controlled by "hidden powers" made up of an "unholy alliance between traditional sectors of the oligarchy, some new entrepreneurs, the police, military and common criminals". Today, to coincide with the publication of this article, Amnesty is launching a protest appeal on its website to form a petition of those appalled
by what is happening to women in Guatemala. This will be presented to the country's president, in an effort to put international pressure on authorities in the country to take action to stop it. Without such pressure, few believe the government will take the problem seriously.

For Guatemala is a small country, condemned by its geography to relative obscurity. In neighbouring Mexico, in Ciudad Juarez, a city that sits on the northern border with the US, the murder of over 300 women in the past decade has drawn international attention. Film stars such as Jane Fonda and Sally Field, accompanied by busloads of female students from around the world calling themselves "vagina warriors", have marched into town for special performances of The Vagina Monologues, to highlight and denounce what has been dubbed "femicide". Yet here, few pay any heed to what is happening.

An attempt by the UN to set up a commission with powers to investigate and prosecute the country's "hidden powers" — expected to serve as a model for other post-conflict countries — has been dismissed by the Guatemalan authorities as "unconstitutional". There is now a debate about how the terms of the commission can be amended to make it acceptable. But as the talking continues, so does the killing.

#
#
#
#
#

Rosa Franco has been fighting for the past four years for the authorities to investigate the murder of her teenage daughter Maria Isabel. Surrounded by photos of the girl wearing a white dress with flowers in her hair at a church service to celebrate her 15th birthday, Rosa hands me some notes her daughter wrote her before she was killed — a few months after these photos were taken. They are the tender notes of a teenager with deep religious faith. "Sometimes my daughter would visit me at work and pretend she needed to use my computer for her homework. But what she really wanted was to leave me a note telling me how much she loved me," says Rosa, a secretary who had been studying for a law degree before Maria Isabel died in mid-December 2001. "She was proud of what I was trying to do," says Rosa, who was left to raise her daughter and two younger sons alone after their father left them. One of the notes, written on Valentine's Day of that year, tells her mother to "always look ahead and up, never down". This has been an almost impossible task since the day her daughter disappeared.

Rosa remembers every detail of that day. "As usual, she did not want breakfast — she wanted to stay thin — though I persuaded her to have a bowl of cornflakes before she left for work. I had given my daughter permission to work in a shop during the Christmas holidays, as she wanted to buy herself some new clothes. I wasn't well that day and went to sleep early. When I woke up the next day and my daughter wasn't there, I went to the police to report her missing. They said she'd probably run away with a boyfriend."

That night, while watching a round-up of the news, Rosa recognised, from the clothing Maria Isabel had been wearing when she left for work the day before, the body of her daughter lying face-down on wasteland to the west of the capital. When she went to the morgue and discovered the brutality to which her daughter had been submitted, she lost consciousness. "When I collapsed, they told me not to get so worked up," says Rosa, who later suffered a heart attack. When Rosa began pushing the police to find her daughter's killers, presenting them with records that the girl's mobile phone had been used after her death, and tracking down witnesses who gave descriptions of the girl being pulled from a car, the authorities accused her of meddling and dismissed her daughter publicly as a prostitute.

Such smear campaigns are used to intimidate the families of female murder victims. A spate of killings of prostitutes was given prominent media coverage after the police started compiling statistics according to the sex of murder victims four years ago; it was only then that the scale of violent deaths among women emerged.

Undeterred by this tactic, Rosa has continued to demand justice — and the intimidation has increased. Her teenage sons are often followed home from school. Cars with several occupants watching her house sit a short distance from her home in regular rotation — one is there the night we sit talking in her living room. Human-rights workers say such surveillance is a mark that the murder has a connection with officialdom and organised crime. "I'm afraid," Rosa says. "But when I see reports of more and more murders of girls and women, I know what other mothers are going through. I vow I will not give up my fight."

It is a sentiment shared by two sisters, Maria Elena and Liliana Peralta, whose elder sister, Nancy, was killed just a few months after Maria Isabel. When the sisters and their parents reported that the 30-year-old accountancy student had not returned home from university in February 2002, they were told by police to come back in a few days if she didn't turn up. The next day, their father read about the body of an unidentified young woman being found on the outskirts of the capital. When he rang the morgue he was told it could not be that of his daughter, as the physical description of her did not match, though one item of clothing she had been wearing when she left home was the same as that on the body recovered. When the sisters' father went to the morgue to check, he found his daughter had not only been killed, but her body had been horrifically mutilated.

"When I talk to the police, they jokingly refer to my sister as 'the living dead'. They insisted she had not died, as some other student had assumed her identity to enrol on a new university course. They showed no interest in investigating what had happened," says Maria Elena, who is now studying law to bring her sister's killers to justice.

One of the complaints of Rosa Franco and the Peralta family is that even the most basic forensic tests, such as those of body fluids, that may help identify the murderers in both cases were never carried out at the morgue. Its director, Dr Guerra, argues that his efforts to contribute to criminal investigations are hampered by the lack of a forensic laboratory on site and the absence of DNA-testing facilities in the country; samples, when taken, have to be flown to Costa Rica or Mexico for analysis. "Until a few years ago, the US helped train our workers in forensic science," says Guerra. "But now that help has stopped."

Convinced they are being thwarted by the Guatemalan authorities, Rosa Franco and the Peralta family are considering taking their cases to the Inter-American Commission. But most victims' families have neither the resources nor the know-how to launch a legal fight. Instead they sit in queues waiting to talk to human-rights workers and beg for news about what is being done to bring those who killed their loved ones to justice. The usual answer is nothing.

On just one day in June, these queues included Catalina Macario, the mother of 12-year-old Hilda, who had been eviscerated with a machete for resisting rape — Hilda survived, but was shunned by her community because of the stigma attached to sexual violence — and Maria Alma de Villatoro, whose 21-year-old daughter, Priscilla, was stabbed to death by her boyfriend for refusing to have an abortion.

"Women here are dying worse than animals. When the municipality announced this summer that it was launching a campaign to exterminate stray dogs, the public took to the streets in protest and it was stopped," says Andrea Barrios of CALDH. "But there is a great deal of indifference towards the murder of women, because a picture has been painted that those who die somehow deserve what they get."

"Neither the police nor the government are taking this seriously. Yet what we are observing is pure hatred against women in the way they are killed, raped, tortured and mutilated," says Hilda Morales, the lawyer heading a network of women's groups formed as the problem has escalated. The situation is unlikely to change, she argues, unless international pressure is brought to bear and foreign investors are made aware of what is going on in the country and start questioning their business dealings there.

Claudia Samayoa, another member of the network, says: "Fifty years ago, the UN signed a declaration decreeing we all have certain basic human rights . With so much conflict in the world, if anyone were to say a choice must be made between helping us and helping those in Darfur, we'd say help Darfur. But how does the international community make such selections? What are the agreements they sponsor worth if there is no follow-through to ensure they're met?"

Far removed from the mayhem of modern-day Guatemala City, in the country's northern rainforest, rich with remains of pre-Colombian Mayan civilisation, archeologists entering a long-sealed crypt recently stumbled upon an ancient murder scene. The remains of two women, one pregnant, were arranged in a ritual fashion: the result, it was said, of a power struggle between rival Mayan cities. More than a millennium-and-a-half later, the women of Guatemala are still being slaughtered as part of a savage power play.

segunda-feira, agosto 29, 2005

Lançado concurso para nova ponte EM VILA DO CONDE

Travessia custa 1,4 milhões de euros e será alternativa à velha ponte da EN 13, que desemboca no centro da cidade

A Câmara Municipal de Vila do Conde decidiu abrir o concurso público para a construção de uma nova ponte sobre o rio Ave entre a freguesia de Retorta (margem esquerda) e a Avenida de Bernardino Machado, junto à Estação Aquícola (parte alta da cidade). A obra terá um custo-base de 1,4 milhões de euros, mas, segundo adiantou ao PÚBLICO Mário de Almeida, presidente do município, a factura deverá ser comparticipada a 50 por cento pelo Governo através de um contrato financeiro a estabelecer entre os dois organismos. Esta possibilidade de suporte financeiro pelo Estado está apalavrada entre o autarca e o Ministério das Obras Públicas, mas, embora falte passar a intenção ao papel, a edilidade decidiu abrir o concurso, "pela urgência da situação". A estimativa de conclusão para a construção da nova travessia é de um ano, mas vão ser precisos mais alguns meses para a tramitação burocrática (concurso, análise das propostas, adjudicação e consignação dos trabalhos).
Mário Almeida considera "fundamental" a nova ponte, que irá retirar trânsito na travessia actual que liga a cidade a Azurara. Os condutores que circulem em diversas freguesias, como Tougues, Macieira, Retorta, poderão então chegar à cidade sem terem de passar pela Estrada Nacional 13 (Porto-Valença) em Azurara.
Em relação à actual ponte, Mário Almeida adiantou ao PÚBLICO que o director de estradas, Joaquim Cavalheiro, o informou que o relatório de peritagem aos pilares não está terminado, mas há já a informação de que a ponte continua segura. A análise à estrutura do equipamento decorreu da preocupação dos responsáveis da autarquia e da empresa Estradas de Portugal de que a alteração das correntes do rio Ave, causada pela destruição de um açude, pudesse ter danificado as bases da ponte .
Ângelo Teixeira Marques

domingo, agosto 28, 2005

Las ilusiones devastadas de Portugal

Los incendios que por tercer año consecutivo han devastado Portugal han encendido un debate que va más allá de la falta de medios y previsión para prevenir el fuego en los bosques. Los comentaristas y la clase política se interrogan sobre el rumbo del país, al que no ayuda una coyuntura económica adversa


Por tercer año consecutivo, Portugal se ha enfrentado a una ola de incendios devastadores que los bomberos y los medios de combate disponibles han tenido graves dificultades para controlar. Una especie de fatalidad que se repite cada verano, pese a las promesas de sucesivos Gobiernos y al consenso general sobre las causas estructurales de la tragedia. Este verano, las llamas que devastaron Portugal se transformaron además - en los debates públicos y análisis de comentaristas- en una metáfora de una cierta impotencia general del país ante muchos otros problemas estructurales que limitan su crecimiento y modernización. También en este caso, tras más de tres años de crisis económica, política y social, los diagnósticos son coincidentes.

¿Por qué arde tanto Portugal? Esencialmente, por un ordenamiento caótico de los bosques y del territorio en general. La desintegración del mundo rural en las últimas dos décadas, en buena parte motivada por la integración europea, que acabó con la estructura agrícola lusa, desencadenó un abandono de las tierras de cultivo y de los bosques, que dejaron de ser vistos como rentables (o de ser origen de un suplemento de renta para las familias). Y los jóvenes acabaron por cambiar los pueblos del interior por las zonas urbanas costeras . Un 80% de la población vive en la zona litoral. El resultado es un país rural abandonado, porque el 90% del bosque sigue estando en manos de 400.000 propietarios que, en su mayoría, son dueños de minúsculas parcelas con un tamaño medio de dos hectáreas. En estos terrenos, las autoridades públicas no pueden intervenir. De esta forma, una ordenación del territorio se vuelve muy complicada.

Los incendios han venido a agudizar este ambiente de crisis. "Los fuegos adquieren un valor simbólico de lo que está ocurriendo en varios ámbitos, como si la devastación alcanzara distintos niveles. Ocurren desgracias del mismo tipo en otros países, como España, pero como viven momentos menos críticos, no alcanzan la misma dimensión ni contaminan de esta forma el clima general socio-político. Esencialmente, se ha instalado la sensación de que nuestra tierra es devastada por culpa nuestra, por nuestras negligencias e incompetencias. Y la fatalidad asociada a los incendios acabó por contagiar el pesimismo sobre el futuro de la economía. Es una tragedia nacional por culpa de todos los portugueses y de todos los Gobiernos. Al final, dudamos sobre si tenemos capacidad para dar la vuelta a todo esto", explica José Gil, profesor catedrático de filosofía en la prestigiosa Universidad Nova de Lisboa. En el último año, Gil se ha transformado en un escritor estrella, capaz de destronar el Código da Vinci de los primeros puestos de las listas de ventas de libros con un ensayo sobre la identidad de los portugueses titulado Portugal, el miedo de existir. Otro símbolo del estado de ánimo del país...

Pero no hay fórmulas milagrosas. Tampoco para los bosques, según los expertos. En los últimos cien años, los robles autóctonos fueron progresivamente sustituidos por enormes manchas continuas de pinos y eucaliptos, que crecen deprisa y son rápidamente rentables, pero que son también más combustibles. Miles de hectáreas con monocultivos con esas dos especies y, encima, sin un mínimo de limpieza durante años, "transforman el bosque en una masa arbórea explosiva", donde las llamas entran y avanzan libremente, explica Duarte Caldeira, presidente de la Liga Portuguesa de Bomberos. A esto se suma un caos urbanístico, con casas y fábricas en medio de cuestas y bosques de difícil acceso, sin medidas de prevención en caso de incendio. Los bomberos portugueses se dedican la mayor parte del tiempo a defender las viviendas. Mientras, los fuegos avanzan.

"Nada como los incendios cuestiona de forma tan brutal nuestro modelo de desarrollo de las últimas dos décadas o evidencia el carácter dramático de la falta de una política de ordenamiento". Con esta rotundidad resume Duarte Caldeira el fondo de la cuestión. Las condiciones climáticas extremas de los últimos tres años -olas de calor consecutivas y la mayor sequía de la que hay registro- prendieron la mecha del barril de pólvora. "Todas estas adversidades, naturales o no, tienen su expresión máxima en los incendios", concluye Caldeira, para quien los bomberos deberían funcionar sólo como "porteros" de lo que no se puede prevenir y evitar. Pero con una media de 400 incendios diarios, dentro del tal barril de pólvora, como ocurrió el pasado fin de semana, no hay medios, materiales o humanos, que puedan hacer frente a las llamas.

La Liga para la Protección de la Naturaleza añade a todos estas causas "el déficit de cultura ambiental y de civismo" de una parte de la población, según su secretario general, Eugenio Sequeira. Sólo la "negligencia" puede explicar la diferencia entre el número de incendios registrados en Portugal y en otros países de Europa, con las mismas condiciones climáticas. Por cada 1.000 hectáreas, hay 7 veces más fuegos en Portugal que en España, 20 veces más que en Francia, 7 veces más que en Italia y 22 más que en Grecia.

25.000 incendios al año

De media, hay 25.000 incendios al año en Portugal. Pero en 2005 ya se han superado los 27.000. El área quemada, según la última estimación de la Autoridad Nacional para los Incendios Forestales, ronda las 180.000 hectáreas. Éste es ya el segundo peor año desde que existen registros sobre terreno calcinado. El más trágico, sin embargo, fue hace sólo dos veranos. En 2003, el fuego consumió 425.000 hectáreas, un 5% del territorio. En 2003, 20 personas murieron en los incendios. Este verano, los fuegos se han cobrado 16 vidas.

Tras varios llamamientos a la movilización y a la responsabilidad de las poblaciones, el pasado miércoles, el presidente de la República, Jorge Sampaio, interrumpió sus vacaciones para, en una rueda de prensa, defender "la limpieza coercitiva" de los bosques, porque "los daños que los incendios ocasionan en la comunidad nacional no pueden ser compatibles con la ausencia de capacidad de intervención de aquellos que son propietarios y que no cuidan el bosque que tienen a su cargo".

Las asociaciones ambientales o del sector y varios expertos van más lejos y piden cambios en la ley de expropiaciones de los terrenos forestales para permitir una correcta recuperación de todo lo que ha ardido y evitar que vuelva a ser pasto de las llamas dentro de unos cuantos años. La federación de productores forestales añade que sería importante conceder incentivos fiscales a la "economía forestal", para dar nuevo dinamismo a este sector y a otros asociados, como los de las energías renovables. Sólo utilizándolo puede defenderse el bosque. Y los bomberos explican que hace falta reestructurar las fuerzas de intervención, también desajustadas ante la nueva realidad. De los 45.000 bomberos portugueses, sólo 7.000 son profesionales. El combate contra los incendios recae en los voluntarios, con las consecuentes limitaciones de preparación y disponibilidad. Y casi todos señalan que Portugal debería tener medios aéreos propios, para no depender cada año del mercado internacional de alquiler y de las sistemáticas peticiones de ayuda a países de la Unión Europea.

"Desde al menos 1965 se debaten los efectos de la desarticulación del espacio rural y la vulnerabilidad del bosque. Los espacios forestales son considerados el más importante recurso natural renovable del país hace al menos 25 años. Y hace al menos veinte que se denuncian las fragilidades del actual perfil de ordenamiento. ¿Y qué se hizo? Muchas leyes y debates, pero nada más", denuncia Manuel Carvalho, subdirector del diario Público, que con frecuencia reflexiona sobre este tema en las páginas editoriales de uno de los periódicos de referencia de este país. "La gradual destrucción del bosque se ha transformado en el más evidente testigo de un país acomodado, sin nervio suficiente para enfrentar con seriedad los problemas con que se enfrenta", escribió el pasado 6 de agosto.

"Tenemos una cierta incapacidad de centrarnos en lo prioritario, en lo esencial. A finales de los años ochenta del pasado siglo, el bosque era considerado el petróleo verde del país, con vastas áreas con un potencial enorme de forestación, pero no fuimos capaces de apostar por el sector y transformarlo en un sector estratégico, con una visión a 20 años", explica Carvalho. El sector de los productos forestales representa, pese a todo, un 10% del total de las exportaciones lusas, y el país es líder mundial en la producción de corcho. Todo ello sin haber desarrollado todo su potencial...

Por eso, este verano, los portugueses asisten por enésima vez al debate sobre la problemática del bosque. Por eso es también el tercer año consecutivo que ven al fuego diezmar miles y miles de hectáreas del país. Y con cada ola de incendios hubo un Gobierno diferente, fruto de la crisis política que agotó el país en los últimos cinco años. Y siempre que un nuevo Ejecutivo tomó posesión eligió los incendios como prioridad, afirmando que tenía una estrategia mejor para evitar la tragedia habitual del verano, y cambiando estructuras ya montadas durante meses. A todo esto hay que sumar los más de tres años de crisis económica y financiera.

Recesión

Tras un inicio de año esperanzador, cuando las estimaciones de crecimiento eran bastante positivas, a principios del verano el Banco de Portugal se encargó de calmar ilusiones, rebajando su proyección de crecimiento para 2005 a un tímido 0,5% del producto interior bruto (PIB). Una estimación que, sin embargo, parece haber sido demasiado optimista. Datos publicados en las últimas semanas por la Unión Europea y el Instituto Nacional de Estadística portugués (INE) indican que no se cumplirán los criterios que estuvieron en la base de los cálculos del banco central: el precio del petróleo está demasiado alto, el crecimiento de los países de la zona de la moneda única será inferior al 1%, las exportaciones portuguesas pierden cada vez más competitividad (la cuota de los productos lusos en los mercados internacionales ha bajado a niveles de 1999).

La economía portuguesa empezó a dar muestras de crisis a finales de 2000, entró en recesión en el último trimestre de 2002 y no volvió a recuperarse, pese a un pequeño repunte en los primeros meses de 2004, empujada por la celebración del campeonato europeo de fútbol, que incrementó el consumo interno. Al problema económico se suma el descontrol de las cuentas del Estado, con un déficit público estimado en un 6,87% del PIB, más del doble del fatídico techo del 3% permitido por el Pacto de Estabilidad y Crecimiento europeo (PEC). Un desequilibrio que no para de crecer desde 2001, pese a los sacrificios que sucesivos Gobiernos han pedido a los portugueses con la promesa de un futuro más risueño, y que "funciona como un corsé para la economía" en una coyuntura recesiva como la actual, explica António Nogueira Leite, economista y antiguo secretario de Estado de Hacienda del socialista António Guterres.

Si alguna duda existía sobre el estado de ánimo de los portugueses, ésta se disipó a mediados de agosto, cuando el INE publicó que los niveles de confianza de los agentes económicos (empresas y consumidores) habían caído por cuarto mes consecutivo a niveles inferiores a los del inicio de 2004, cercanos al mínimo histórico verificado durante la recesión de 2003. El aumento del paro, que del 4,1% en 2001 pasó al 7,2% en el segundo trimestre de 2005, desencadenó una nueva ola de emigración hacia otros países europeos, el rostro más visible de la desilusión lusa.

Gil, el autor de Portugal, el miedo de existir, destaca que comparte personalmente el sentimiento general de desánimo. Sobre todo, lo entiende: "Andamos siempre con pequeñas reformas, cuando el país necesita, hace mucho tiempo, un cambio completo, una revolución en las mentalidades, en el sistema político, en la Administración".

"La crisis económica portuguesa, que es muy larga, más que otras del pasado, es consecuencia del gobierno de las últimas décadas, porque no conseguimos llevar a cabo reformas estructurales necesarias para transformar el país en una economía competitiva. Y ahora es más difícil, debido a la globalización y la competencia asiática. Lo que hicimos fue dejar que creciera un Estado tentacular e ineficiente que ahora ahoga a la economía. La baja productividad de las empresas es consecuencia, también, de factores que les son exteriores, como la burocracia y la lentitud de la justicia".

Esperanza

También Nogueira Leite comparte el pesimismo general y lo entiende. Pero destaca que espera que "este periodo de decadencia sea sólo temporal", como siempre ha ocurrido en la historia portuguesa. Muchos sectores y empresas han aprovechado los años de crisis (o han sido obligados por las circunstancias) para llevar a cabo importantes reestructuraciones, en un proceso de ajuste duro, pero que a medio plazo habrá creado un nuevo tejido productivo con capacidad para exportar y colocar productos competitivos en mercados extranjeros. "Toca ahora al Gobierno cumplir con su parte", o sea, sanear las cuentas y modernizar la Administración, una máquina de 750.000 personas, considerada una de las más pesadas de Europa. "El rumbo definido por el Gobierno es bueno, pero tiene que seguirlo hasta el final", concluye el economista.

El rumbo del Gobierno, liderado por el socialista José Sócrates, que llegó al poder en marzo pasado, es el mismo de uno de sus antecesores, José Manuel Durão Barroso, y de Pedro Santana Lopes. O sea, el rigor y la austeridad en los gastos públicos y más sacrificios para los consumidores. Tal y como había hecho Durão Barroso, Sócrates prometió durante la campaña electoral no subir impuestos, pero una de sus primeras medidas fue pasar el IVA del 19% al 21%. Según indicaron los sondeos, el electorado le perdonó esta primera frustración. Otras medidas posteriores le hicieron llegar al verano con el prestigio y la confianza que había conquistado bajo mínimos, lo que arrojó más madera a la hoguera del pesimismo.

El ministro de Hacienda, Luís Campos e Cunha, renunció al Gobierno poco más de 100 días después de asumir el cargo. Un duro golpe, dada la gran tendencia a huir manifestada en los últimos años por los gobernantes de Lisboa. Primero fue Guterres, en 2001, que se dijo incapaz de conducir los destinos del país, dado el "pantano" hacia donde caminaba. Después fue Barroso, que a la primera oportunidad prefirió cambiar Lisboa por Bruselas. Y sólo cuatro meses después, su sustituto fue destituido por el presidente de la República, harto de polémicas relacionadas con la figura de Santana Lopes. Un desgaste para el electorado y una sensación de que el país no es gobernable.

Pero antes de irse de vacaciones, Sócrates encendió la hoguera final que acabó por castigar su popularidad: eligió a diversos miembros del aparato del Partido Socialista, incluidos amigos personales suyos, para importantes cargos en la administración de empresas públicas o controladas por el Estado. Tras defender un discurso de austeridad, en el que insistió "en la moralización de la vida política y pública", impulsando leyes que recortaban los privilegios de los políticos y altos cargos de la Administración, era imposible cometer un error más grave. "Sócrates está fracasando en una de las vertientes esenciales de su proyecto político: recuperar la confianza de los portugueses en la clase dirigente y hacerles creer en su capacidad para superar la crisis", afirma Manuel Carvalho. Por primera vez, a finales de julio, Sócrates registró niveles negativos de popularidad en las encuestas publicadas mensualmente en la prensa.

"El Gobierno reveló una falta de visión de lo que pasa a su alrededor, de lo que piensa y siente el pueblo. Los portugueses tienen tal grado de sensibilidad, son tan susceptibles, que estos episodios, menores en otro contexto, tienen efectos enormes. En esta rentrée política, las personas no olvidarán tan deprisa las consecuencias del fuego; porque éste es un fuego político", dice Gil.

António Costa Pinto, politólogo del Instituto de Ciencias Sociales de Lisboa y columnista habitual en la prensa, considera que más que "el pueblo", son las élites portuguesas las que han adoptado el discurso de la crisis "y de las llamadas ideologías de la decadencia" este verano: "Son muy sensibles a la idea de asociar cualquier síntoma al fracaso general del país". "Los economistas, por ejemplo, prefieren insistir en el lado estructural de la crisis y en que no se trata de un problema coyuntural que, esencialmente, está relacionado con las cuentas públicas", señala.

Costa Pinto destaca dos lados positivos del mal momento que deprime a los portugueses hace tanto tiempo: un dinamismo creciente de la llamada sociedad civil y una cierta madurez política que, por primera vez en la historia democrática portuguesa, podrá permitir un consenso y una unión entre las principales fuerzas políticas que se van turnando en el poder sobre cuestiones fundamentales para el desarrollo del país, como es el caso de las cuentas públicas.

"Si miramos más allá, hacia los años anteriores a esta crisis, descubrimos un país que cambió muchísimo en treinta años, que se modernizó, que logró entrar en la Unión Europea, que está en el club de la moneda única. No hay motivos para pensar que el país se agotó y que no tiene salida", dice Costa Pinto. Como escribió recientemente el director del Jornal de Negócios, Sérgio Figueiredo, tal vez ése sea el problema: "El mayor misterio es que ahora, en casi todos los indicadores, estamos mucho mejor que nunca. El problema es de expectativas. Y de comportamiento".

El regreso de Soares

CON UN SENTIMIENTO de doble filo fue recibido el anuncio del regreso a la política de Mario Soares, de 80 años, fundador del Partido Socialista portugués (PS), ex primer ministro y presidente de la República durante diez años. Es considerado el padre de la democracia portuguesa y una especie de senador de la sociedad lusa, cuya opinión es escuchada y analizada con atención. El próximo miércoles, Soares anunciará que es de nuevo candidato a ser presidente de Portugal.

Este inesperado regreso al combate político ocurre tras el rechazo de varias figuras, más jóvenes, del PS a dar el paso al frente. Las elecciones, que están previstas para el próximo enero, se adivinaban difíciles para la izquierda, ante la falta de un candidato con carisma y dada la mayoría absoluta de los socialistas en el Parlamento -a los portugueses les gusta equilibrar el poder-. Por otro lado, la crisis económica y financiera daba una ventaja desmedida sobre cualquier adversario al candidato de la derecha, Aníbal Cavaco Silva, el conservador experto en finanzas que fue primer ministro durante los años de presidencia de Soares.

"Es un combatiente por naturaleza. Pero la victoria es secundaria para él. Por supuesto que cuando se presenta, piensa en ganar. Pero no es eso lo que busca. Reacciona ante el desierto que existía a la izquierda, la pobreza del debate. Es la única persona en Portugal con capacidad para renovar la autoestima y dar nueva esperanza a los portugueses. Tiene una enorme capacidad de galvanización", dice el socialista António de Campos, una de las personas más cercanas a Soares.

Si por un lado la decisión de Soares provoca admiración, la verdad es que también contribuye a alimentar el pesimismo que reina en Portugal: ¿será que el país no tiene capacidad para encontrar nuevas generaciones de políticos que presenten soluciones nuevas? Y es que también Cavaco Silva tiene 65 años y forma parte de una generación que ya estuvo en el poder y, en principio, a estas alturas, debería haber dado lugar a la siguiente.

"La verdad es que Portugal necesita una apertura, algo nuevo en su terreno político. Ninguno de estos dos candidatos está conectado con esa apertura hacia una política nueva", afirma el filósofo y escritor José Gil. Para el periodista Manuel Carvalho, el regreso de Soares y Cavaco "denuncia la dificultad que tiene Portugal en mirar hacia delante. Los dos son modelos del pasado, símbolos de una época buena y próspera del país, emblemas de confianza en un futuro que entonces parecía imparable. Creo que los partidos políticos quieren utilizarlos para hacer creer al electorado que el regreso a esos tiempos es posible". Pero "1985 no es 2005, las luchas son otras", como tituló el diario Público uno de sus editoriales sobre este tema.

quarta-feira, agosto 24, 2005

O "quinto poder"?

por Vital Moreira
in Público, 23 de Agosto de 2005

Corre nestes dias uma animada troca de opiniões entre vários blogues nacionais sobre a função e o poder dos blogues, bem como sobre as relações entre eles e os media tradicionais. Estas questões não são propriamente inéditas. Mas tendo em conta que a questão já teve algumas repercussões na imprensa, vale a pena trazê-la para o público em geral.
Comece por afirmar-se que, apesar de crescente, a visibilidade pública dos blogues é ainda muito reduzida entre nós. É pequeno o número dos seus frequentadores regulares. São muito poucos os blogues que têm notoriedade, devendo-a vários deles ao conhecimento de que os seus autores gozam por razões exteriores à blogosfera, como políticos, comentadores, colunistas, etc. A blogosfera continua a ser, portanto, um mundo relativamente restrito de "conhecedores".
Claro que é fácil criar um blogue. É gratuito e não exige nenhum saber específico. Basta um computador e uma ligação à Internet. Alguns minutos a preencher os procedimentos, e já está. Pode-se logo escrever e publicar o primeiro poste. Imagino o fascínio de lançar para o éter o primeiro texto. O problema vem depois, ter quem os leia. A maioria dos novos blogues são nados-mortos, que vegetam até à desistência, sem chegarem a ser conhecidos para além dos seus autores. Inúmeros génios da blogosfera" para si mesmos" acabaram amargamente na frustração.
Dada a incipiência da blogosfera, o maior risco consiste em sobrestimar a sua influência, em especial no espaço público. Para começar, grande parte dos blogues não deseja ter nenhum impacte público geral. Nascem como simples meios de expressão pessoal dos seus autores. Há blogues de artistas, de músicos, de poetas, de cultores de vários saberes, desde a culinária às ciências ocultas. Quando discutimos o impacte dos blogues, queremos referir normalmente a sua influência na opinião pública, em geral, e na esfera política, em especial, nomeadamente no campo da luta ideológica e da crítica do poder político. Fora a função de proselitismo ideológico, a que muitos se limitam, qual é o verdadeiro papel dos blogues?
Não falta quem já considere a blogosfera como um novo poder, um "quinto poder", ao lado do três poderes tradicionais do Estado (poder legislativo, pode executivo, poder judicial) e do "quarto poder" representado pelos media clássicos. A função dos blogues deveria ser não somente a de fiscalização dos poderes do Estado - função principal dos media numa sociedade aberta -, mas também do poder dos media tradicionais, quer quanto à selectividade da sua agenda mediática, quer quanto ao seu tratamento. Daí a invocação que alguns fazem de uma função privilegiada dos blogues em termos de agenda setting (suscitar temas ignorados pelo poder político e/ou pelos media tradicionais) e de watchdog (função de vigilância e de denúncia dos demais poderes).
Aqui há dois anos (Outubro de 2003), o director de Le Monde Diplomatique, Ignacio Ramonet, lançou para a discussão a necessidade de criar um "quinto poder", como forma de contraposição à crescente transformação do "quarto poder" - ou seja, os media - em instrumento de acção dos demais poderes (sobretudo do poder económico), por efeito da crescente integração em redes mundiais integradas em grupos de comunicação dominados por poderosos grupos económicos, em prejuízo da sua função tradicional de controlo do poder. Daí a necessidade de instituir um novo poder destinado a vigiar os media e a suprir a suas carências em termos de informação livre e de pluralismo de opinião, sobretudo quanto aos interesses e ideias deixados de lado pelos grupos de comunicação dominantes. Para isso, ele propunha a criação de um observatório internacional dos media (Global Media Watch), de modo a tornar a comunicação e a informação pertencentes finalmente a todos os cidadãos.
No seu texto, Ramonet não referia os blogues como candidatos a integrar esse quinto poder autónomo dos cidadãos. A blogosfera estava, porém, em vias de se tornar uma forma de expressão relevante. E se existe hoje justamente um papel que os blogues podem desempenhar, ele está justamente aí. Acessíveis a cada vez maior número de pessoas, à medida que se generalizam os computadores e a Internet, os blogues podem finalmente realizar, a uma escala nunca imaginada, a utopia democrática de permitir aos cidadãos em geral intervir directamente nas assuntos da polis. Ao contrário dos media tradicionais, que são instituições ou empresas com a sua agenda própria, que condiciona necessariamente os seus jornalistas (desde logo no momento da sua escolha), os blogues, mesmo quanto colectivos, são exercícios puros de liberdade individual. Há dias num artigo no jornal Expresso, Paulo Querido - ele próprio um blogger, que por vezes analisa os blogues na imprensa - escrevia: "E este é o futuro mais previsível da blogosfera de pendor participativo na res publica: levantar as questões que a imprensa por algum motivo está impedida de colocar (ou esqueça) e melhorar assim a accountability do poder político, que quase não tem antecedentes históricos em Portugal."
Essa função de suprimento das insuficiências dos media tradicionais é particularmente relevante ao nível do local, onde existe um grande défice de pluralismo de imprensa, sendo raros, em muitas regiões, os jornais e as rádios locais, com a agravante de que frequentemente eles são dominados ou estão financeiramente dependentes do próprio poder local (subsídios, publicidade oficial, convites para viagens oficiais, etc.). Uma vertente ainda pouco conhecida da blogosfera é justamente o aparecimento de numerosos blogues locais, que criam pela primeira vez em muitos municípios um verdadeiro espaço de discussão das políticas públicas.
Uma das questões mais controversas em matéria de accountability do poder público tem que ver com a problemática do whistle blowing, ou seja, o do papel da denúncia de corrupção ou e abusos do poder por parte dos que trabalham nos próprios serviços públicos. Há vários países, como a Grã-Bretanha, onde a lei encoraja as denúncias, protegendo os autores das informações de perseguição disciplinar ou outra, desde que feitas de boa-fé e em prol do bem público. Ora, a blogosfera proporciona condições óptimas para que os colaboradores dos serviços levem ao conhecimentos público os casos de corrupção ou de violação das leis em geral, aproveitando-se do seu conhecimento interno. É aqui que se levanta o controverso tema do anonimato na blogosfera, muito frequente, que recorrentemente vem à tona. De facto, se nuns casos o anonimato constitui uma compreensível protecção do autor, sem a qual as suas informações e advertências não viriam a público, noutros muitos casos o anonimato é apenas a cobertura para patifarias de toda a espécie.
A blogosfera não parece ser uma moda, condenada a desaparecer como outras. A sua relevância é crescente, e estimável, particularmente na esfera política. Mas, por enquanto, dada a sua reduzida dimensão e influência, é pelo menos excessivo falar num "novo poder". Só o tempo pode dizer se algum dia o será.

terça-feira, agosto 23, 2005

O fogo de Colónia

por Graça Franco
in Público, 22 de Agosto de 2005

Se a Igreja fosse uma multinacional, e a eleição papal correspondesse à escolha de um novo Chairman, Bento XVI nunca teria sido Papa. Segundo os critérios de gestão puramente humanos ele seria provavelmente o último da lista dos candidatos à sucessão de João Paulo II. As suas intervenções, enquanto braço-direito do anterior pontífice, correspondiam à face mais "antipática" de um pontificado absolutamente excepcional e podiam até ser vistas como tendo contribuído para isentar o anterior Papa de uma parte substancial da responsabilidade no alegado "retrocesso" em termos de doutrina e moral.
A figura de "pastor-alemão", com toda a carga mais ou menos pejorativa associada, servia-lhe, seguindo os vários critérios mediáticos, como uma luva. No seu currículo ressaltava o cargo de prefeito para a doutrina da fé, que é como quem diz, o zelador máximo da ortodoxia ou uma espécie de "inquisidor" dos tempos modernos. Numa lógica humana, a figura de número dois seria afastada com um pragmático voto de louvor pelos bons serviços prestados.
A assembleia-geral passaria depois à busca da renovação da liderança, maximizando o potencial dos candidatos provenientes das zonas "em expansão", capazes de desencadear estratégias conducentes a atrair cada vez "mais clientes", capitalizando uma nova onda de simpatia mediática. Surgiriam, então, os nomes dos cardeais africanos, da América Latina ou asiáticos (para apanhar o ar dos tempos das novas lideranças mundiais). Nem os católicos conseguiam fugir a este tipo de análise "politica" na fase pré-conciliar.
Não foi assim. Porque não é assim. Mas se dúvidas existissem... aí estava a confirmação! Imagino que para um não crente deve ser difícil aceitar a participação do Espírito Santo. Sobretudo, tendo em conta a história da Igreja recheada de uma extensa e infeliz sucessão de "erros" na escolha papal. É difícil perceber que essa inspiração divina não se sobrepõe à liberdade individual dos cardeais eleitores. É, no entanto, essa a mais absoluta prova da divindade de Deus. Nenhum de nós se "fosse Deus" admitiria uma Criação livre, com aquele chorrilho de asneiras bem à vista no mundo actual, resultante de múltiplas escolhas erradas. Nunca arriscaríamos o escrutínio livre das pobres criaturas. Haviam de ser obrigadas a adorar-nos. Ponto final.
O Espírito Santo não decide "em vez de...", e ao inspirar a escolha torna-se dependente da rectidão de intenção dos que participam na reunião. Eles são co-responsáveis. Deus conta com o seu discernimento humano para que a escolha seja a melhor. A obediência na Igreja nunca pode ser cega nem acrítica.
À luz desse discernimento humano, cedo se ouviram as vozes dos que diziam que Bento XVI era, como o seu antecessor, um homem de superior inteligência e, tal como ele, um homem de uma inquebrantável fé. Capaz de debater a sua própria religião com ousada abertura mas sem subserviências intelectuais. Sobretudo, alertavam para o facto de o novo Papa ser um "grande crente".
Os últimos três dias foram o primeiro grande teste. E, até os mais críticos começam a baixar a guarda perante uma apoteótica consagração pela juventude. João Paulo II convocara os jovens para Colónia e ao novo papa restava o desafio de confirmar o convite ou optar pela desmobilização. Confirmou-o. Colónia viveu a grande jornada de dois papas.
A mais difícil. No coração da velha Europa descristianizada, gélida e triste. Ali, exactamente, no seio da Comunidade Católica mais "crítica" e dividida. Os que, como eu, viveram nos países do norte sabem bem o que isso significa de desafio. Ali, até o abraço da Paz se transforma num distante aperto de mão, numa respeitosa inclinação de cabeça. É difícil entrar no coração dos nórdicos com o calor do sul. Os alemães não são como os polacos. A simples noção de festa, tal como a encaramos com naturalidade, parece-lhes sinónimo de um desajustado destempero. Não há comparação com a América ou com a vivência multicultural de Paris. Colónia é Alemanha pura...
Afinal a festa foi tão grande que os jornais a compararam às digressões dos Beatles e ao Woodstock. O que não se perguntaram, os analistas que assim se precipitaram a explicar o fenómeno do ponto de vista sociológico, foi o porquê deste "ídolo" não corresponder ao ideal de identificação dos próprios jovens. Bento XVI só canta na missa. Ninguém dorme a sonhar que se fosse ele passeava de descapotável, ganharia milhões, e teria todas as pequenas aos seus pés. Neste festival não são as drogas, o sexo fácil, e os rios de cerveja a principal atracção. Aqueles jovens estão ali para rezar. Passam noites a rezar pela Paz. Dirão alguns que isso é apenas uma nova "liturgia" das velhas manifs pró-Love... Erro fatal.
Oitocentos mil ou um milhão (mais do dobro dos inicialmente previstos...) vieram de duzentos países. Conheço alguns que trabalharam todo o ano juntando dinheiro para estarem lá. Outros que trocaram ofertas de visitas a lugares de sonho para convergirem para ali. Para ir ao encontro de um Homem que os remete para Cristo e lhes diz que é possível ser fiel à mensagem de salvação, lançada há dois mil anos, por um outro homem que acabou crucificado por se dizer filho de Deus. Por testemunhar teimosamente que Ele existe e ama por igual os justos e os pecadores.
Não são umas velhinhas beatas, afogadas em negro, que o aclamam. Em rigor, ninguém aclama este velho de branco de quase 80 anos. Os que ali estão não estão por ele. Tal como os dois mil e quinhentos, jovens e crianças, que acompanhavam a oração do irmão Roger (de 90 anos!) no momento em que foi assassinado, ainda há poucos dias, em Taizé. É essa a grande diferença com as estrelas de rock. Aqueles jovens estão ali para partilhar a festa e responder presente ao desafio de testemunho que ele representa. Por que a sua figura de "avô capaz dos ouvir" remete para a figura um Pai capaz de os amar. E como o novo Papa ontem lembrava, o que pode salvar-nos senão o Amor? Não um amor qualquer. Não os vários amores. O próprio Amor.
Agradeço a João Paulo II ter aparecido na minha vida no momento de profunda solidão dos jovens crentes. Éramos um bando de loucos a remar contra uma corrente que embarcara na certeza absoluta da inexistência de Deus. O yupismo dos anos oitenta foi apenas o mais rasteiro dos ateísmos-materialistas. Não sei se é herético afirmá-lo mas acho, tal como Bénard da Costa, que cada um de nós terá vários papas ao longo da sua vida mas um deles acabará por ser o papa das nossas vidas! João Paulo II será provavelmente o meu.
Mas a Bento XVI posso já agradecer a alegria de ter conseguido que esta juventude não se sinta só. Por ter ajudado a recuperar o sentido de festa que é inerente à própria fé. Um milhão estava em Colónia. Muitos outros milhões ficaram por aí. A Igreja pode continuar a ser merecidamente criticada, mas é com inexplicável orgulho que a vemos não abdicar da liderança no combate pelas boas causas. Nas suas redes - como reconheceu o Papa em Colónia - há peixes bons e peixes maus. Cristo já avisara os do seu tempo, que nos seus campos e até ao fim dos tempos Deus deixaria crescer, a par e passo, o trigo e o joio.
Há um novo fogo de esperança que abrasou a gélida e velha Europa. Talvez possamos todos aprender com este milhão de jovens que é possível salvar o mundo em que vivemos. Que os confrontos (de religiões ou de civilizações) não são inevitáveis nem fazem parte do pacote do futuro. A Paz é possível Aquela Paz que os anjos prometeram numa noite em Belém. Reservada aos homens de Boa Vontade. Sejam eles crentes ou não.
João Paulo II gritou aos jovens: Levantai-vos e vamos! Provando que confiava neles. Bento XVI veio dizer-lhes agora "Segui a Cristo custe o que custar!" O martírio dos jovens padres brasileiros assassinados nas últimas semanas dá uma pálida visão da dimensão do sacrifício. Quem disse que os jovens preferem o facilitismo? Jornalista

sexta-feira, agosto 19, 2005

Voos Paris-Bragança enchem aviões da Aerocondor

ligações garantidas só até 18 de setembro
Voos Paris-Bragança enchem aviões da Aerocondor

por Ana Fragoso, in Publico, 18 de AGosto de 2005


O êxito da ligação está a mudar hábitos dos emigrantes. Continuação da linha depende da certificação do aeródromo local

Aos 81 anos de idade, Carolina Cremilde, de São Pedro de Sarracenos, viu pela primeira vez, de perto e ao vivo, um avião de média dimensão e sem sair do concelho onde sempre viveu, Bragança. Um ATR 42, com 49 lugares, da Aerocondor, que desde o passado dia 27 de Julho efectua, a título experimental, ligações Bragança-Agen-Paris (Orly). Na passada sexta-feira, o avião chegou de França lotado. Aliás, nos dois últimos voos com partida de Paris as taxas de ocupação situaram-se entre os 80 e os 100 por cento, o que "excedeu as expectativas da empresa", confessou Fernando Lopes, director comercial da Aerocondor.
Entre os passageiros que utilizaram esta ligação no passado dia 12, encontrava-se uma das filhas de Carolina, que vive e trabalha em Paris: "Vem por poucos dias. Se tivesse de vir de carro, era mais difícil", conta a octogenária, já emocionada e ansiosa depois de ver o avião aterrar, mas ainda à espera que a filha entrasse na sala de espera do aeródromo municipal. Também por poucos dias, "apenas para passar o fim-de-semana", chegou Bruno Tainha, de 33 anos. "Venho para ver a família; se não existisse esta ligação, era impossível ter vindo nesta altura", disse. Virgínia, mãe de duas meninas de dois e seis anos, contava aos familiares como é bom "chegar em apenas quatro horas" de Paris a Bragança. "Nós costumamos vir de avião, mas sempre até ao Porto; depois ainda tínhamos de alugar um carro e fazer uma viagem de três horas até chegar a Bragança e com as miúdas é complicado", explicou. O marido, que não gosta "de vir de carro", referiu que "há muito tempo que os emigrantes esperavam por esta linha".
A viagem de carro de Paris até Bragança demora, em média, 16 horas, sem contar com os engarrafamentos na zona da fronteira que se repetem, ano após ano, no início de Agosto. De autocarro, o percurso é ainda mais demorado. "São 20 a 22 horas, o que é extremamente cansativo", comentou Stephanie Pereira, de 26 anos, residente em Paris, que tem toda a família a viver em Agrochão, perto de Torre de Dona Chama. A família desta jovem não escondia o entusiasmo com a sua chegada e ainda mais porque a própria anunciou que "se o avião continuar" vai vir à região com mais frequência. "Eu, de autocarro, pagava 100 euros pelo bilhete; no avião paguei por volta de 150. Não é muito", considerou.
Os preços agradam aos emigrantes, que fazem contas aos gastos com o combustível, as portagens e as refeições, sem contar com o tempo da viagem de automóvel. "Só me parece mal que as crianças paguem o mesmo preço que os adultos, incluindo uma criança de dois anos", criticou um passageiro.
O avião sai de Paris à sexta-feira, às 15h40, e chega a Bragança às 18h45, regressando a França à segunda-feira, com partida marcada às 9h40 e chegada prevista às 14h40.

Curiosos e potenciais
clientes à espera do avião
O cenário tem-se repetido nas últimas sextas-feiras. Por volta das 18h00, o aeródromo de Bragança começa a receber gente de vários pontos do distrito que quer ver chegar o avião que vem de Paris. De máquina digital na mão, os curiosos recorrem à varanda do bar do aeródromo para registar o momento da aterragem. "É magnífico", exclamou António Fernandes, um emigrante residente em Paris que vem à terra natal, Coelhoso, no concelho de Bragança, pelo menos duas vezes por ano. "A partir de agora vou passar a viajar de avião", garantiu.
Este entusiasmo era partilhado por Rosa Pontes e pelo marido, dispostos a deixar o carro em Portugal e a regressar a Paris de avião. "Quando viemos, fizemos a viagem em dois dias: ficámos uma noite num hotel porque é muito aborrecido fazer o trajecto de uma só vez. Agora, já que existe este serviço, vamos aproveitar e regressamos de avião", explicou. Esta transmontana, residente há 33 anos em França, vem à região apenas uma vez por ano, mas "se o avião continuar, está garantido" que vem "pelo menos no Verão, Natal e Páscoa".
Mas nem todos "os curiosos" tinham o mesmo propósito. Muita gente desloca-se ao aeródromo "só para ver". Maria Elisa, de Bragança, não conseguiu ver o avião "na televisão no dia da inauguração da linha", por isso deslocou-se ao aeródromo com o marido. O casal não tenciona viajar, mas fica satisfeito "com o desenvolvimento da cidade".
Atento a todas estas movimentações está Américo Martins, por enquanto o único taxista do aeródromo, que até agora só conseguiu fazer "um frete" com os passageiros que chegam de Paris, "porque a maioria tem familiares que os vem aqui buscar". Mesmo assim, diz que gosta de "ver o movimento" e espera que as ligações continuem.
Apesar do sucesso das ligações, a Aerocondor não garante a sua continuidade a partir do dia 18 de Setembro. O director comercial, Fernando Lopes, adiantou que estão previstos voos no período do Natal e passagem de ano e na Páscoa. "Estamos a pensar no próximo Verão realizar três voos semanais, mas a regularidade da linha ao longo de todo o ano ainda não a podemos assegurar", admitiu. Estas reservas prendem-se com a certificação definitiva do Aeródromo de Bragança.

quarta-feira, agosto 03, 2005

Baião

Autarca de Baião acusada de violar dever de neutralidade

Público, 3 de Agosto de 2005

O candidato do PS à Câmara de Baião, José Luís Carneiro, acusou ontem a actual presidente da câmara e candidata do PSD às próximas autárquicas, Emília Silva, de violar deveres de "neutralidade e de imparcialidade" e de utilizar "abusivamente" bens públicos para fins eleitoralistas.
Em conferência de imprensa no Porto, o candidato socialista revelou que "há baionenses que estão a receber telefonemas anónimos a perguntar-lhes em quem vão votar". Paulo Pereira, presidente da concelhia socialista, acrescentou que as chamadas estão a ser feitas a partir da sede do PSD, o que tem contribuído para "instalar um clima de medo e de intimidação" entre a população. O PS vai solicitar a intervenção do provedor de Justiça e da Comissão Nacional de Eleições.
A actuação de Emília Silva mereceu outras críticas por parte de José Luís Carneiro, nomeadamente a de que "diversas vezes se confunde o papel de autarca com o de candidata em pré-campanha", e a de que o Boletim Municipal está a ser instrumentalizado, para "promoção da imagem da actual presidente". A publicação, que visa dar conta das deliberações camarárias, inclui aproximadamente 30 fotografias da autarca na sua última edição, mas nenhuma deliberação da autarquia.
"Estão em causa princípios fundamentais da democracia", sustentou José Luís Carneiro, referindo "não perceber" por que é que o líder do PSD, Marques Mendes, aceitou a candidatura de Emília Silva e rejeitou outras que se encontram em "circunstâncias semelhantes".
O PÚBLICO tentou colher o depoimento de Emília Silva, não sendo, no entanto, possível chegar à fala com a autarca até ao fecho desta edição.
Videojogo é proibido na Austrália e gera controvérsia política nos Estados Unidos

Público, 3 de Agosto de 2005

GTA San Andreas foi sempre discutido pela sua violência. Agora descobriu-se que tem escondidas cenas de sexo explícito

A comissão de classificação de filmes e literatura da Austrália tomou ontem a decisão radical de proibir um videojogo que na última semana e meia levantou nos Estados Unidos uma tremenda controvérsia moral, judicial e política. O jogo campeão de vendas Grand Theft Auto: San Andreas incorreu em "pecado" há cerca de duas semanas, quando foi revelado que existia um "código" (o mod Hot Coffee) que permitia o acesso a uma área escondida na qual se encontram cenas de sexo explícito.
Nos Estados Unidos, numa primeira reacção, a comissão de classificação de jogos colocou de imediato o GTA: San Andreas na categoria "só para adultos", o que, teoricamente, terá um efeito limitador sobre as vendas.
Na Austrália, onde os "censores" são, por tradição, conservadores nestes casos, esta não é a primeira proibição de um jogo. Já antes tinha acontecido com Manhunt. Simplesmente, como a aplicação da lei é muito mais estrita do que nos Estados Unidos, o GTA: San Andreas ficou efectivamente condenado a uma existência clandestina.
"As lojas que vendem ou alugam jogos de computador devem retirar imediatamente das suas prateleiras este jogo", sentenciou Des Clark, director da comissão de classificação. "E os pais devem agir com cautela ao permitirem o acesso continuado de crianças a este jogo."

Avó pôs processo
O fabricante, a Rockstar, já anunciou estar a criar uma versão do jogo expurgada dos conteúdos escondidos, mas isso não o livrará de responder em tribunal a um processo invulgar apresentado a semana passada em Nova Iorque.
Uma mulher alegando estar perturbada por ter comprado o jogo ao neto de 14 anos sem conhecer o verdadeiro conteúdo pôs em tribunal a Rockstar e a editora, a Two-Way, em nome de todos os consumidores dos Estados Unidos, pedindo uma indemnização não especificada e afirmando que a empresa deve prescindir dos seus lucros sobre o jogo por ter incorrido em crimes de publicidade falsa, engano dos consumidores e práticas comerciais injustas.
A empresa, numa primeira reacção à controvérsia, afirmou que as cenas escondidas não faziam parte dos jogos postos à venda, mas mais tarde admitiu que sim. A Rockstar afirmou depois que a produção do jogo na sua forma "controversa" foi inteiramente suspensa.
O caso GTA: San Andreas tomou uma tal dimensão que chegou às mais altas esferas da política norte-americana. A meio da semana passada, a Câmara de Representantes aprovou uma resolução, com 355 votos a favor e 21 contra, em que pede uma investigação federal à empresa.
Também a senadora por Nova Iorque Hillary Rodham Clinton interveio na polémica, ao pedir que fosse feita essa investigação e sugerindo que a empresa tinha agido de forma a enganar os sistemas de classificação ao esconder as cenas de sexo às quais é possível aceder através de programas de computador disponíveis na Internet. Para Hillary, jogos violentos e cheios de sexo como o GTA afectam "a actividade cerebral [dos jovens], o que os torna, em especial os rapazes, mais agressivos".
Desde o seu lançamento que o jogo (existem versões para computador, PlayStation2 eXBox) conseguiu notoriedade por ser particularmente violento e "picante". A sinopse oficial descreve o regresso de Carl Johnson a San Andreas, uma cidade "arrasada por problemas entre gangs, droga e corrupção, onde as estrelas de cinema e os milionários fazem o seu melhor para evitar os negociantes e os gangs". Estamos no princípio dos anos 90, e a mãe de Carl foi assassinada, a família está "destroçada" e os amigos de infância "arrasados".
Há polícias corruptos e o "herói" nem sempre segue os caminhos da lei - actividades criminosas e violentas são recompensadas. Com tudo isto, o videojogo é desde 2004 um dos grandes best-sellers de 2004 em todo o mundo, Portugal incluído. E isto quando ainda quase ninguém saberia das cenas escondidas.
Em fóruns de debate de videojogos, já se alerta entretanto para o que poderá ser um próximo alvo da ira de sectores mais conservadores. Nada mais, nada menos do que outro best-seller, The Sims 2. Desta vez, a acusação, ainda por formalizar, parte da possibilidade de, com os códigos adequados, ser possível ver personagens do jogo integralmente nuas. Antes que o caso avance, o fabricante, a Electronic Arts, já esclareceu que não há sexos por baixo dos pixels que, pudicamente, tapam as zonas erógenas dos bonecos.

segunda-feira, agosto 01, 2005

Câmara responde a Santos Cruz

PSD acusado de lançar confusão sobre concessão da água e saneamento em Vila do Conde

por Ângelo Teixeira Marques, Público, 1 de Agosto de 2005


O candidato escreveu ao primeiro-ministro e ao procurador-geral da República, para que estes estejam atentos ao processo, contestado pela Aquapor

O presidente da Câmara de Vila do Conde, Mário Almeida (eleito pelo PS), considera que o primeiro-ministro, o socialista José Sócrates, e o procurador-geral da República, Souto Moura, não atenderão ao pedido de chamada de atenção feito pelo candidato da coligação PSD/CDS, Santos Cruz, sobre o processo de privatização dos serviços municipais de água e saneamento (Ver PÚBLICO de 25/07/05). Ao referir-se a uma carta enviada por Cruz ao chefe do Governo e ao procurador-geral, o líder da autarquia comenta numa nota informativa emitida pelo seu gabinete de imprensa, a acção do candidato do PSD/CDS: "Chegando ao cúmulo de se escrever aos senhores primeiro-ministro e procurador da República (como se fosse alguém por eles escutado) para que estejam atentos, evidenciando não perceber como decorrem os procedimentos da justiça".
Argumenta Mário Almeida que a coligação PSD/CDS está a tentar criar "dificuldades" ao crescimento rápido das redes em causa, lançando "confusão sobre as tarifas" e fazendo uma interpretação sobre a possibilidade, que o autarca exclui, do processo de privatização poder ser travado. Mário Almeida diz nesse documento que a providência cautelar interposta pela Aquapor (ramo da estatal Águas de Portugal) é "compreensível num concorrente que perdeu [para a Indáqua] um concurso e que gostaria de o ganhar".
Mas, enfatiza, essa acção judicial de salvaguarda de interesses à qual o Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto deu provimento à Aquapor, só andará se houver uma acção principal. "Tudo será resolvido nos termos deliberados pelo município [adjudicação à Indáqua], por forma a que todos os vila-condenses tenham rapidamente água e saneamento, a preços similares aos de hoje", atira Almeida, que acusa a coligação PSD/CDS de estar somente "preocupada com estratégias eleitorais".
Na resposta, Santos Cruz, também em comunicado, refere que a "revelação feita por Mário Almeida de que não adianta escrever ao primeiro-ministro e ao procurador tem uma leitura clara: "há portugueses que são ouvidos e outros que não o são". "Será que para ser ouvido por estes altos dignitários é necessário ter cartão de militante do PS", questiona o candidato, que mantém a sua bandeira da pré-campanha: a câmara adjudicou as redes à Indáqua, que apresentou um valor das tarifas a praticar (2,96 euros por metro cúbico) mais elevado do que a preterida Aquapor (2,34).
"Não fomos nós a dirigir o concurso que originou o actual processo judicial [providência cautelar] que pôs a ridículo o comportamento do presidente da câmara e do vereador António Caetano como elementos do júri da comissão de propostas [apresentadas]", remata Cruz que, caso seja eleito, promete rever todo o processo.